Tempestade em alto mar: aprenda a se proteger de raios

Tecnologias Náuticas
Futuro a bordo: conheça as novas tecnologias náuticas
Janeiro 21, 2021
Manobras de embarcações
Navegação segura: 5 regras de manobras para embarcações
Fevereiro 5, 2021
Tempestade em alto mar

Tempestade em alto mar

Desfrutar da exuberância do oceano sobre um barco é um dos melhores prazeres, mas como toda navegação, alguns cuidados são necessários, principalmente quando o assunto é tempestade em alto mar.

O ideal, em casos como esses, é que a embarcação nem esteja na água, mas a mudança de tempo pode acontecer de forma repentina. Muitos navegadores já passaram por situações parecidas e o melhor a se fazer é sempre ter em mente algumas dicas de como contornar a situação.

Por isso, neste post trazemos algumas dicas de como se proteger de raios durante uma tempestade em alto mar. Mas antes, é importante entendermos o que são essas descargas elétricas.

Fenômeno

O raio é uma descarga de energia entre a terra e as nuvens. Todo e qualquer material pode se tornar um condutor desse caminho que ele percorre.

Você sabia que o Brasil é campeão mundial em incidência de raios? Segundo o Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o nosso país lidera o ranking em registros de raios com uma média de 77,8 milhões de descargas elétricas por ano.

De acordo com o Elat, os barcos são menos atingidos por raios se comparado com aviões, por exemplo, uma vez que essas descargas elétricas ocorrem com menor frequência em alto mar. De qualquer forma, quando falamos em navegação, é importante estar preparado para os imprevistos e saber lidar com eles.

Barcos com mastros

As embarcações que contam com mastros em sua estrutura, como os veleiros, por exemplo, merecem uma atenção especial quando o assunto é tempestade em alto mar, justamente porque o mastro pode se tornar um condutor da descarga elétrica.

Se um raio atinge o mastro, ele pode causar aberturas no barco, podendo afundar a embarcação ou ainda provocar um incêndio.

De acordo com o Elat, é possível usar o mastro como um para-raios se sua estrutura for metálica. Para isso é necessário conectá-lo a água por um cabo condutor isolado da estrutura do barco. O mastro precisa ser um quarto maior do comprimento do barco.

Se possível, o cabo condutor deve seguir um caminho reto a uma placa metálica que esteja em contato direto com a água.

Agora, se ele não for metálico, é possível utilizar um fio de cobre de espessura razoável. O fio deve ser colado ao longo do comprimento do mastro, sendo conectado a um cabo que esteja na água.

Alguns navegadores, que já vivenciaram a tempestade em alto mar, dizem que enrolar uma corrente em torno do mastro e no estai e em seguida jogado na água torna o caminho mais curto para a energia elétrica percorrer.

Metal a bordo

É preciso sempre ter em mente que a descarga vai procurar o menor caminho e o mais condutor possível até chegar ao mar. Portanto, se a embarcação for de fibra ou de maneira, mas com o casco isolante, o raio pode entrar por uma antena, um guarda mancebo ou o próprio mastro como já citamos.

Então a dica neste caso é: durante uma tempestade em alto mar com raios, o melhor é evitar encostar em qualquer metal a bordo.

Em relação aos equipamentos eletrônicos, o ideal é desplugar todos da rede de energia, porque se um raio atingir a embarcação, certamente ele vai queimar tudo que tem pelo caminho.

Outras dicas importantes

A primeira delas é informar à Marina ou ao estaleiro por onde vai navegar e o horário que pretende retornar.

Normalmente as navegações em alto mar são feitas no piloto automático, mas ao se deparar com uma mudança de tempo radical, o recomendável é optar pelo manual e, para os veleiros, manter o motor ligado. Desta forma será possível conduzir melhor a embarcação.

Nunca esqueça de checar se o leme e os motores estão na posição certa e alinhados. Com o mau tempo você poderá ter prejuízos no funcionamento desses equipamentos, dificultando, inclusive o controle deles. É importante, também, monitorar o estado dos motores.

Para evitar a exposição do motor causando a entrada e saída do hélice da água, é ideal configurar o trim ou reduzir sua rotação.

Se a embarcação contar com um gerador, a orientação é que mantenha-o funcionando até o fim da tempestade. Com isso, é possível garantir energia em todos os equipamentos.

As pessoas que estiverem na embarcação não devem se dirigir ao convés durante uma tempestade em alto mar. Apenas se for necessário.

O espaço no convés deve ser mantido fechado e sem nada solto, como cabos e equipamentos de amarração.

É muito importante que cada tripulante tenha consciência do seu papel em situações adversas, por isso, ter uma lista de tarefas fixadas em vários locais da embarcação se faz necessário.

Por fim, é fundamental que todos estejam em alerta, que realizem o trabalho em grupo e, se possível, evitem o pânico.

Gostou do artigo? Não deixe de conferir o nosso blog com mais informações relevantes sobre o mercado náutico.

Sobre a Brancante Seguros

Com 20 anos no ramo de seguros de embarcações, A Brancante Seguros é atualmente a maior empresa do setor de seguros para esse tipo de meio de transporte.  O know-how em embarcações e a precisa orientação profissional prestada a todos os clientes durante a contratação de suas apólices, garante uma assessoria altamente qualificada, fazendo com que a empresa seja respeitada por diversas entidades e organizações, pela Marinha do Brasil e pelo mercado segurador.

Atualmente, são mais de 4500 barcos assegurados, com apólices que cobrem possíveis danos internos e externos a embarcação, garantindo mais tranquilidade e o direito ao bem-estar de quem está a bordo.

Solicitar Cotação